Quem sou eu

Minha foto
Campinas, São Paulo, Brazil
Psicólogo Clínico Junguiano com formação pela Unicamp, terapia corporal Reichiana, Hipnoterapeuta com formação em Hipnose Ericksoniana com Stephen Gilligan.E outras formações com Ericksonianos: Ernest Rossi, Teresa Robles, Betty Alice Erickson. Formação em Constelação Familiar Sistémica pelo Instituto de Filosofia Prática da Alemanha. Uma rica e inovadora terapia divulgada em toda Europa. Professor de Hipnoterapia, além de ministrar cursos de Auto-conhecimento como Eneagrama da Personalidade e Workshop de Constelação Familiar Sistémica em todo o Brasil. Clínica em Campinas-SP. Rua Pilar do Sul, 173 Chácara da Barra. Campinas-SP F.(19) 32950381

Uma relação de ajuda

Como é bela, intensa e libertadora é a experiência de se aprender a ajudar o outro. É impossível descrever-se a necessidade imensa que têm as pessoas de serem realmente ouvidas, levadas a sério, compreendidas.
A psicologia de nossos dias nos tem, cada vez mais, chamado a atenção para esse aspecto. Bem no cerne de toda psicoterapia permanece esse tipo de relacionamento em que alguém pode falar tudo a seu próprio respeito, como uma criança fala tudo "a sua mãe.
Ninguém pode se desenvolver livremente nesse mundo, sem encontrar uma vida plena, pelo menos...
Aquele que se quiser perceber com clareza deve se abrir a um confidente, escolhido livremente e merecedor de tal confiança.
Ouça todas a conversas desse mundo, tanto entre nações quanto entre casais. São, na maior parte, diálogos entre surdos.
Paul Tournier.

domingo, 12 de setembro de 2010

Hipnose em Campinas

Psicoterapia e hipnose em Campinas.
Durante nossa infância vivenciamos momentos difíceis e traumáticos, muitas vezes insuportável para nossa maturidade emocional. Nossa personalidade ainda era frágil, delicada e sensível, ainda totalmente dependente de nossos pais. E como não tínhamos uma resposta madura e adequada para enfrentar situações de perdas, abandonos, rejeições e perigos, criamos várias defesas emocionais para nos defender desses traumas.

Quando uma dor física é muito forte e insuportável, simplesmente perdemos a consciência desmaiando, pois nosso organismo nos protege dessa dor insuportável. Nossa psique faz a mesma coisa que nosso corpo, nos protegendo de um trauma emocional mais forte que nossa estrutura emocional suporta. Se um trauma foi doloroso demais para nossa estrutura psíquica não permanecera na memória consciente, empurramos para o inconsciente seus efeitos, as reações físicas e emocionais desencadeadas.

Essa carga emocional traumática reprimida que esta inconsciente possui ainda muita energia, e continua vivendo em um lado sombrio de nossa personalidade. Esse trauma inconsciente continua vivo sempre forçando para vir para a consciência e por isso nos rouba muita energia. Pois nossa estrutura egoica esta sempre se defendendo desses traumas com muitas defesas psíquicas.

Assim aprendemos a viver de uma forma neurótica e inadequada, pois estamos sempre nos defendendo desses traumas inconscientes, surgindo os sintomas de ansiedade, fobias, depressão. Pois enquanto estamos nos defendendo de uma nossa parte sombria vivemos somente um lado, estamos deixamos de viver uma vida autentica e verdadeira.

Se a pessoa sofre de distúrbios psicológicos sérios, que perturbam significativamente a sua vida, ou estejam colocando em risco sua saúde e sua segurança e a dos outros, ela precisa de ajuda de um profissional de saúde como um Psicólogo clínico, autorizado a exercer a hipnose pelo conselho federal de psicologia.

Ainda há tanto um desconhecimento quanto um preconceito fortemente arraigado em relação à hipnose. Muitas pessoas podem ser hipnotizadas em nível desejável para a terapia ou durante os exercícios de regressão se recebem informações e têm seus medos discutidos e apaziguados.

Ante de mais nada, é preciso ficar bem claro que a hipnose não é um fim em si, um meio utilizado para ajudar os pacientes a terem acesso a lembranças de traumas. Muitas vezes, em nossa vida, entramos em estado hipnótico sem nos darmos conta disso.

Quando você está tão concentrado num filme ou na música de um concerto que não ouve os ruídos ao seu lado, você está em estado hipnótico. A rigor, toda hipnose é na verdade uma auto-hipnose, pois o paciente controla o processo, sendo o terapeuta apenas um guia.

Um dos objetivos da hipnose é ter acesso ao inconsciente, à parte da mente que fica debaixo da consciência, e que não é limitada por nossa fronteira de lógica, espaço e tempo. O inconsciente armazena lembranças mais remotas e dele podem surgir soluções criativas para nossos problemas.

Possui também uma sabedoria muito além de nossas capacidades cotidianas. Há uma gama ampla de estados hipnóticos dos mais leves aos mais profundos. É um procedimento no qual o paciente permanece entre a vigília e o sono, induzido através de uma estimulação débil, rítmica, monótona e persistente,

Não é, portanto, um estado de sono, mas sim intermediário entre o sono e a vigília, em que o paciente permanece calmo, sereno e tranqüilo, sem a necessidade de perder a consciência ou dormir, mas sensível às sugestões que lhes são feitas pelo hipnotizador.

A hipnose age tanto no campo fisiológico como emocional o que possibilita ao paciente obter resultados satisfatórios com o tratamento. Este se sente apoiado a realizar metas e objetivos que seriam difíceis de atingir no seu estado normal.

Por essa razão, reduz o tempo de tratamento, sendo considerada uma terapia breve, notadamente em psicologia. Por dar acesso ao inconsciente, a hipnose coloca a pessoa num estado com grande potencial curativo. Há experiências que nos marcam muito profundamente e que ficam registradas em nosso subconsciente em forma de lembranças.

A dor e o sofrimento que nos causaram continuam repercutindo ao longo dos anos, ou de muitas experiências, sem que nos demos conta de que a experiência que gerou a fobia ou o medo que agora carregamos é algo que já passou. Transferimos esses medos e padecimentos para o presente, e eles se manifestam, transtornando nossas vidas em varias formas.

A hipnose pode ser usada na prevenção de doenças?

Quem pode exercer hipnose no Brasil?

A hipnose pode produzir danos ao paciente?

Todo mundo pode ser hipnotizado?

Receios dos pacientes em relação à hipnose?

A hipnose pode ser usada na prevenção de doenças?

Reduzindo as tensões (musculares, orgânicas e emocionais), a hipnose é também utilizada na prevenção das doenças, como por exemplo, na ansiedade decorrente do estresse, prevenindo entre outras, a depressão, a somatização e doenças psicossomáticas.

Quem pode exercer hipnose no Brasil?

A hipnose não é um procedimento alternativo de terapia, sendo seu emprego regulamentado pelos Conselhos Federais de Medicina e Psicologia. Os Cirurgiões Dentistas também a utilizam, por força de Lei.

Textos Legais

Cirurgiões Dentistas - Artigo 6.º da Lei n.º 5081 de 24/ 08 / 1966 - § I a IV.
Conselho Federal de Medicina - Parecer n.º 42/99 de 20 / 08 / 1999
Conselho Federal de Psicologia - Resolução n.º 013/00 de dezembro de 2000

A hipnose pode produzir danos ao paciente?

Nas mãos de um profissional competente e bem orientado, a hipnose não produz danos de qualquer natureza ao paciente. Por outro lado, não sendo sono, o paciente permanece em um tipo de transe, vigilante e atento, mantendo suas características morais e intelectuais durante o procedimento. Qualquer ato atentatório à sua moralidade ou à sua pessoa é prontamente respondido com o retorno imediato à vigília.

Todo mundo pode ser hipnotizado?

Sabemos que cerca de 95% da população é hipnotizável em algum grau.

Existem etapas de aprofundamento da hipnose que se iniciam na esfera muscular, prosseguem pela sensorial e atingem a afetiva-emocional. Quanto mais profunda for a etapa atingida pelo paciente durante o procedimento, maior o seu benefício terapêutico.

Porém é importante ressaltar que qualquer que seja a etapa que ele atinge, os resultados são mais eficientes do que os que se obtém em vigília (acordado), pois a hipnose produz um relaxamento físico e mental que já se evidencia nas etapas superficiais e que aumenta a medida que ocorre o aprofundamento do transe.

Receios dos pacientes em relação à hipnose?

São geralmente produzidos pela desinformação e dizem respeito ao medo de morrer durante o transe, o que não ocorre, de se submeter ao poder de uma outra pessoa, de relatar fatos e acontecimentos que mantém como segredo,

Na hipnose não há qualquer submissão ao hipnotizador e o paciente executa os atos que consente ou quer praticar a seu pedido, podendo negar-se a tal procedimento.

Da mesma forma, relata apenas o que achar conveniente durante a terapia psicológica ou psiquiátrica.

É muito comum o paciente questionar o profissional sobre o que ocorreria se algo acontecesse ao hipnotizador, enquanto ele estivesse em transe. A resposta é nada, pois faltando o estímulo indutor da hipnose que é produzido pelo hipnotizador, o paciente superficializa o transe e simplesmente acorda.

É um procedimento sem ações colaterais ou deletérias, desde que aplicada por profissional competente e bem orientado. Todavia, não é panacéia universal e como todo o tratamento tem seus riscos e limitações, indicações e contra-indicações.
Utilizo a Hipnose em Campinas para tratamento de fobias, depressão, ansiedade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário