Quem sou eu

Minha foto
Campinas, São Paulo, Brazil
Psicólogo Clínico Junguiano com formação pela Unicamp, terapia corporal Reichiana, Hipnoterapeuta com formação em Hipnose Ericksoniana com Stephen Gilligan.E outras formações com Ericksonianos: Ernest Rossi, Teresa Robles, Betty Alice Erickson. Formação em Constelação Familiar Sistémica pelo Instituto de Filosofia Prática da Alemanha. Uma rica e inovadora terapia divulgada em toda Europa. Professor de Hipnoterapia, além de ministrar cursos de Auto-conhecimento como Eneagrama da Personalidade e Workshop de Constelação Familiar Sistémica em todo o Brasil. Clínica em Campinas-SP. Rua Pilar do Sul, 173 Chácara da Barra. Campinas-SP F.(19) 32950381

Uma relação de ajuda

Como é bela, intensa e libertadora é a experiência de se aprender a ajudar o outro. É impossível descrever-se a necessidade imensa que têm as pessoas de serem realmente ouvidas, levadas a sério, compreendidas.
A psicologia de nossos dias nos tem, cada vez mais, chamado a atenção para esse aspecto. Bem no cerne de toda psicoterapia permanece esse tipo de relacionamento em que alguém pode falar tudo a seu próprio respeito, como uma criança fala tudo "a sua mãe.
Ninguém pode se desenvolver livremente nesse mundo, sem encontrar uma vida plena, pelo menos...
Aquele que se quiser perceber com clareza deve se abrir a um confidente, escolhido livremente e merecedor de tal confiança.
Ouça todas a conversas desse mundo, tanto entre nações quanto entre casais. São, na maior parte, diálogos entre surdos.
Paul Tournier.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

As frases liberadoras

O terapeuta pode indicar as frases da solução ou deixar que sejam encontradas pelos representantes. 0 essencial é que elas resultem do processo da constelação e sejam adequadas. Elas surgem da compreensão dos processos profundos da alma numa família. Com freqüência elas ocorrem simplesmente ao terapeuta ou aos representantes quando eles se abrem aos acontecimentos familiares e quando a alma do grupo está preparada para uma solução. Elas dão expressão ao vínculo e à solução, tocam e comovem a alma.

Nas constelações utilizamos duas espécies de frases de solução: as que descobrem um vínculo de destino e as que desatam um vínculo de destino. As frases descobridoras têm um efeito liberador, porque nelas vem à luz numa vivência de espanto, muitas vezes muito tocante, o vínculo de destino que até agora determinou a vida, e porque elas exprimem a concordância com o amor que causou a vinculação ao destino. Tais frases são, por exemplo: “Mamãe, por você vou encontrar sua irmã na morte, e então você pode ficar com papai”, ou: “Querido vovô, você perdeu tudo; eu também não conservo nada, então fico perto de você”.

As frases que liberam proporcionam ao amor a conversão para o domínio aberto da vida. Elas honram o destino das pessoas conectadas, contemplam seu amor e deixam o destino com aqueles que o devem carregar — e geralmente já o carregaram. Assim, uma filha poderia dizer à noiva abandonada por seu pai: “Vejo sua dor mas não posso tirá-la de você; tenho que deixar sua dor e sua raiva com você e com papai. Seja bondosa comigo se eu deixo você, fico com minha mãe e conservo meu namorado”.

As frases liberadoras só funcionam em confronto com a pessoa a quem alguém está vinculado. Esse olhar de pessoa a pessoa precisa de um certo tempo, até que a relação e a ligação sejam percebidas. A solução acontece “cara a cara”. Portanto, as frases da solução não devem ser ditas cedo demais. E é preciso ficar atento para que as pessoas envolvidas realmente entrem em ligação recíproca. Só então as frases se comunicam, como que espontaneamente, e podem desenvolver todo o seu efeito.

Nesse processo, o terapeuta fica atento a que a pessoa envolvida, enquanto diz as frases liberadoras, mantenha o contato do olhar com a pessoa com a qual está envolvida pelo destino, pois com freqüência ela procura desviar o olhar e com isso conservar os sentimentos que mantêm o enredamento. O terapeuta faz então, cuidadosamente, com que ela recupere o contato do olhar, de forma que os sentimentos que liberam encontrem sua expressão. Da mesma forma, o terapeuta fica atento, na repetição das frases da solução, à adequação da voz e à sua força liberadora, de modo que também a pessoa a quem se dirige e todo o grupo se convençam do passo liberador.

Nem sempre as frases de solução ocorrem logo aos representantes, ao terapeuta e mesmo à pessoa envolvida. O terapeuta talvez se sinta então um pouco desorientado. Nesse caso, é bom que ele mantenha a situação num curto silêncio. Ele também pode recorrer às frases padronizadas que lhe são conhecidas, de Bert Hellinger ou de outros terapeutas. Elas conservam uma grande função orientadora, mesmo que sejam freqüentemente repetidas.

É essencial que a pessoa envolvida possa pegar as frases e vivenciá-las de maneira adequada e liberadora. Às vezes o terapeuta precisará igualmente experimentar frases, até encontrar aquelas que trazem solução. Isto também não traz problema, na medida em que a busca das frases permanecerem no contexto da alma e em contato com ela.

O terapeuta deve verificar com cuidado se a pessoa simplesmente repete as frases ou se estas são também acertadas para ela e a tocam. Se não alcançam o que é adequado, é preciso procurar outras frases. Se o terapeuta sente que as frases são acertadas, mas não toca, ele precisará talvez lançar mão de mais alguma coisa na dinâmica do sistema. Por exemplo, ele induz a um diálogo os representantes da mãe e do pai e, depois, coloca a pessoa envolvida outra vez em relação e faz com que ela repita, na nova base, as frases da solução. Quando uma confrontação não liberta do emaranhamento, freqüentemente há outras pessoas no sistema que precisam primeiro liberar algo entre si. Portanto, durante as frases de solução não se deve olhar apenas a pessoa envolvida, mas manter presente todo o sistema.

As frases liberadoras tocam o cerne do trabalho com constelações। Elas fazem vibrar as “imagens da alma”. Tais frases não se vinculam necessariamente às imagens da constelação, se bem que uma linguagem tocante tem sempre a capacidade de “ver”. Experimentamos isto quando, independentemente de constelações, e até mesmo numa conversa no telefone, a alma toca através das palavras. E fica claro, no mais tardar até que as soluções da alma advenham pela mediação das palavras, que a psicoterapia está longe de ser uma técnica de transmissão de informações, e que o elemento fundamental da psicologia consiste “no dizer, como forma de mostrar e fazer comparecer o presente e o ausente, a realidade em seu sentido mais amplo”. Na psicoterapia, através de uma linguagem que preserva e guarda o que pertence à alma, o mundo é dito de novo em sua qualidade anímica e o ainda-não-visto é trazido à luz.


Nenhum comentário:

Postar um comentário